Você sabia que felicidade e sucesso empresarial podem caminhar juntos?

Há algumas décadas trabalhar era sinônimo de sobrevivência, de ganha-pão e apenas disso. Não se pensava em autorrealização, em alcançar o sucesso ou em ser extremamente feliz fazendo aquilo que dava, de fato, prazer. Era pura e simplesmente uma questão de necessidade e isso trouxe uma série de consequências desastrosas para a saúde mental e física de inúmeros profissionais.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil é o país mais deprimido e ansioso de toda a América Latina. Também pudera! Segundo uma pesquisa realizada pela Love Mondays, o brasileiro é o povo menos satisfeito com o trabalho, especialmente por possuir uma das piores condições trabalhistas, ficando atrás, até mesmo, do México.

E como seria possível reverter esse quadro? Qual seria a forma de atrelar a felicidade ao mundo corporativo? Entenda mais a seguir!

Por que você trabalha?

Mesmo que o principal motivo das pessoas trabalharem já não seja exclusivamente por questões financeiras, ainda é latente e intrínseca na vida de cada um que o dinheiro é a principal moeda de troca para conseguir alguns privilégios na vida, como saúde e educação de qualidade.

Por essa razão, pensar em trabalhar para ser feliz – e, principalmente, ser feliz dentro do segmento empresarial – pode parecer uma simples utopia. No entanto, isso não se trata apenas de um sonho distante, mas sim, de uma realidade que está cada vez mais perto. E o primeiro passo para começar a exercê-la é fazer a si mesmo alguns questionamentos fundamentais.

– “Tenho me sentido realizado (a) ao ir trabalhar ou me sinto arrastando mais um dia?”

– “Eu posso ser feliz com o meu trabalho?”

– “Se não estou feliz, o que posso fazer para mudar?”

– “É a função que exerço ou o ambiente em que estou trabalhando que me causa mal estar?”

Fazer essa análise inicial é um divisor de águas para iniciar a transformação, tendo em mente que é preciso identificar onde está o problema para começar, realmente, a entender quais são as estratégias que podem ser estabelecidas a fim de realizar uma mudança efetiva.

Para se ter uma ideia, um estudo publicado no livro “É possível se reinventar e integrar a vida pessoal e profissional”, de Fredy Machado, aponta que cerca de 90% das pessoas são infelizes em seus trabalhos, mas apenas 64,24% gostariam de fazer algo para mudar a situação. Você se encaixa nessa porcentagem? Responda para si mesmo.

Trabalhar para ter x trabalhar para ser

O principal questionamento, em especial dentro do mercado empresarial, está em se perguntar se você trabalha para ter ou para ser. E essa, senhoras e senhores, não precisa ser uma escolha que, automaticamente, excluirá a outra possibilidade.

É possível encontrar um equilíbrio na balança e unir tanto uma profissão rentável quanto a satisfação profissional, basta chegar a um denominador comum em que ambos os itens estejam em uma medida favorável, entendendo que é preciso, sim, lucrar, mas que também é fundamental ter flexibilidade, tempo de qualidade com a família e, acima de tudo, se dedicar também à sua vida pessoal.

Mas, e quanto à carreira? Bem, ela também seguirá seu curso, mesmo que você precise se reinventar do dia para a noite. Esse, inclusive, é o caso de Martha Stewart. Apaixonada por culinária gourmet e cozinha, ela trabalhou como corretora de ações de Wall Street, até que decidiu transformar seu amor em uma atividade lucrativa, criando a Martha Stewart Living Omnimedia. A empresa chegou a ser avaliada em U$ 400 milhões e, se antes ela vendia ações, depois foi a dela que valia uma fortuna!

O mesmo aconteceu com Jonah Peretti. O professor de informática do ensino fundamental usou sua paixão pelo universo digital para se misturar entre os engravatados e encontrar a felicidade por lá. Com isso, ele criou o site viral Buzzfeed e o The Huffington Post. Ambos foram avaliados em U$ 850 milhões e U$ 315 milhões, respectivamente.

Qual é a sua desculpa?

E você? Qual a sua desculpa para não transformar a sua carreira em uma fonte genuína de felicidade, auto realização e satisfação? Será que está na hora de levar um empurrãozinho?

Palestrante, mágico e professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais, onde leciona sobre a ciência da felicidade e bem-estar, Renner Silva é especialista no assunto e mostra que o ato de ser feliz pode ser desenvolvido e aprendido, desde que o sujeito esteja disposto a isso.

Com sua palestra “A Fórmula Mágica do Sucesso”, assistida por mais de um milhão de pessoas, e outras consultorias e imersões realizadas tanto com pessoas físicas quanto com empresas, Renner mostra que felicidade dá lucro e que ainda pode trazer um aumento de produtividade surpreendente para diversos setores.

Que tal colocar em prática agora mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *