Como convencer e motivar a minha equipe?

Na rotina diária são tantos afazeres: casa, boletos, filhos, escola, universidade, trabalho. Não é à toa que muitos funcionários se sentem desmotivados no trabalho. Às vezes, as questões envolvidas são pessoais, em outras, a estrutura corporativa da organização pode ser a responsável pelo desânimo. Por isso hoje vamos ensinar como convencer e motivar a equipe.

Antes de tudo, por que a equipe está desmotivada?

Pois é! Antes de aprendermos a convencê-la ou a propor estratégias de motivação, é preciso entendermos o que faz o efeito contrário.

Algumas das ações que causam desmotivações compreendem, por exemplo, críticas públicas sobre o trabalho de um dos membros; metas exageradas e que exigem prazos impossíveis de serem alcançados; falta de autonomia na tomada de decisões; tratamento desigual entre os funcionários e até desperdício de tempo.

Sabe aquela reunião que você marca todo final do dia, na esperança de que fará uma gestão melhor? Desista, pois são ações assim – desnecessárias – que levam a motivação da equipe pelo ralo.

A pergunta é: dá para reverter tudo isso e motivar a equipe?

Sim. Separamos, portanto, alguns passos que irão lhe ajudar a convencer e motivar a sua equipe.

  • Comece planejando o futuro: para isso, você deve ser sincero quanto à contratação de determinado funcionário. Ele necessita conhecer quais as possibilidades que tem na empresa e, da mesma forma, você precisa se planejar para ver se isso é possível.
  • Invista na comunicação: essa é uma das principais dicas. Se você transmite uma ideia equivocada ou não sabe se expressar, os resultados não serão alcançados. Da mesma forma, você deve dialogar e abrir mão do controle.
    Convencer uma equipe é isto: demonstrar, por meio da conversa, que os funcionários são capazes de se envolver e trazer resultados positivos para a organização.
  • Dê autonomia: estimule a confiança na equipe. Se você determina tudo a ser feito e não permite a experimentação, por exemplo, isso acaba desmotivando os funcionários. É claro que deve haver planejamento para as coisas, mas eles são capazes de tomar decisões quando envolvido em tarefas mais complexas. Afinal, existe algo mais chato que o colaborador que pergunta tudo para você, pois sabe que qualquer deslize é motivo para ser mandado embora?
  • Ofereça educação corporativa: mais que um treinamento para os funcionários, a educação corporativa mostra qual a causa social da empresa,ou seja, como a organização contribui para a sociedade. Esse é um fator que permite ao funcionário se identificar com as estratégias e objetivos da empresa a longo prazo. Portanto, mais que exigir habilidades, a empresa pode oferecer ações que estimulem esse “alinhamento” de ideias.
  • Promova ações motivacionais: isso não tem nada a ver em dizer para o funcionário vestir a camisa da empresa, pensar fora da caixa ou qualquer outras frases vazias que ouvimos por aí. Estamos falando de valorizar a equipe e propor encontros em que o profissional possa expressar a sua opinião sem medo de represálias, sugerir ideias novas, comemorar conquistas e pensar em estratégias para superar o que deu errado.

Humanidade, algo a ser incentivado no ambiente corporativo

Outra dica essencial é que não são apenas as grandes empresas que conseguem motivar os funcionários. Uma organização pequena, que mostra o seu papel e oferece possibilidade ao colaborador para crescerem juntos também pode (e deve) convencer e motivar os seus profissionais.

Lembre-se, ainda, que é a qualidade de vida que determina o quanto o trabalhador está satisfeito na empresa. Um funcionário não é uma máquina que está disponível 24h por dia. Afinal, ele tem família e vida social – estes itens precisam ser incentivados pelos líderes.

A ideia de valorizar o bem-estar dos funcionários da empresa é denominada como a ciência da felicidade corporativa. Esse conceito significa que significa que: se há motivação no trabalho porque as outras áreas da vida também estão bem. Sabe aquele pai que precisa sair mais cedo para buscar o filho na escola? Então, não recrimine, pois os funcionários apenas estão sendo o que todo mundo deveria ser: humanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *