Afinal, é possível alcançar a tão sonhada felicidade no ambiente de trabalho?

Qual o seu grande objetivo de vida? Uma resposta é praticamente unânime: ser feliz. E quando falamos de felicidade, normalmente, pensamos em nossas relações familiares e amorosas. Já reparou como pouco associamos felicidade com o nosso ambiente de trabalho? Para alguns, isso soa como utopia, como se o trabalho fosse uma mera questão de sobrevivência.

A verdade, é que o mercado de trabalho se transformou completamente, a economia está instável e está cada vez mais difícil conseguir emprego na própria área. Diante deste cenário, é possível alcançar a tão sonhada felicidade no ambiente de trabalho? Quais são os fatores determinantes para que esta utopia se transforme em realidade? É o que você vai entender na sequência do artigo.

Onde está o prazer?

Você, certamente, já ouviu alguém dizer (ou talvez seja essa pessoa), que passa mais tempo no trabalho do que na própria casa. Essa é a realidade de muitos brasileiros. Entretanto, essa quantidade de horas trabalhadas é quase inversamente proporcional à produtividade ou mesmo à satisfação pessoal do indivíduo.

Em linhas gerais, estamos vivendo cada vez mais em função dos fins de semana. Cinco dias de estresse precisam ser suportados para desfrutar de dois dias inteiros de alívio e satisfação pessoal. Mas será que isso precisa ser uma regra?

É bem verdade que a falta de prazer no trabalho está ligada a diversos motivos. Em primeiro lugar, está cada vez mais difícil encontrar empregos na própria área. Mais difícil ainda é encontrar um trabalho que proporcione estabilidade, sobretudo, na questão financeira.

Essa sobrecarga está cada vez mais em evidência. De acordo com um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 30% dos trabalhadores em uma escala global sofrem de depressão, o “mal do século”, transtornos de ansiedade ou estresse.

Via de mão dupla

Não pense que a preocupação com a felicidade no trabalho é unicamente do empregado. Os empregadores estão cada vez mais atentos a essa questão, afinal, sabe-se que um trabalhador infeliz é um trabalhador improdutivo. Mais do que isso, este fator também contribui diretamente para o aumento da rotatividade, absenteísmo e afastamento por acidente e doenças.

As medidas para contribuir com a saúde mental desses indivíduos variam de acordo com a dinâmica de cada organização, desde recompensas financeiras até atividades mais leves, que aproximam o máximo possível o ambiente do trabalho do seu próprio lar.

Da para ser feliz no trabalho?

Acredite, trabalho e felicidade não são incompatíveis.

Mas para que exista felicidade no trabalho, muitos fatores devem convergir. Claro, fazer o que ama é algo que pode impulsionar esse sentimento. Mas isso não é tudo.

Ser feliz no trabalho também exige autoconhecimento. Quais são minhas competências e habilidades? Como alinhar minhas expectativas com a missão e os valores da empresa para a qual eu trabalho?

A felicidade no trabalho também dependerá estritamente da sua felicidade na vida pessoal. E ser feliz, tanto no trabalho quanto na vida, exige resiliência, inteligência emocional e outros aspectos. Logo, antes de sentir felicidade, é preciso aprender a ser feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *